Menu
Menu
Saltar para o conteúdo
Doenças oculares de inverno: alergia ocular e síndrome do olho seco

Doenças oculares de inverno: alergia ocular e síndrome do olho seco

O Inverno é propenso a patologias oculares pelas frequentes diferenças de temperaturas entre os espaços fechados e o exterior, assim como os ventos, constantes nesta altura do ano, que levantam poeiras nocivas aos olhos.  É importante estarmos informados sobre quais são as patologias mais usuais nesta época do ano e como as prevenir.

No artigo anterior foram descritos os sintomas, tratamento e prevenção da Conjuntivite infecciosa, neste o foco estará nas alergias e síndrome do olho seco. Desta forma, poderá conhecer mais sobre estas doenças e tentar evitá-las, e ao desconforto que provocam.

Alergia Ocular. Sabia que afeta cerca de 20% da população?

A alergia ocular trata-se de uma reação alérgica nos olhos, não contagiosa, que surge quando um determinado alergénio entra em contacto com a mucosa ocular, desencadeando a conjuntivite alérgica. Entre os alérgenos mais frequentes encontram-se o pólen, os ácaros, o pó e ainda alimentos como o chocolate ou o marisco.

A alergia ocular afeta, para além dos olhos, as pálpebras e pele em seu redor. Os principais sintomas são o prurido intenso, olho vermelho e lacrimejante, sensação de corpo estranho, ardo, fotossensibilidade e edema palpebral. No caso de infeção com queratite, o doente apresenta outras queixas como visão turva e dor.

O tratamento é prescrito pelo oftalmologista e poderá ser diferente, consoante as diferentes manifestações. O médico poderá receitar:

- Anti-histamínicos que são usados como medida de prevenção, durante todo o período em que existe risco de contacto com o alérgeno,

- Descongestionantes para o alívio temporário dos sintomas da alergia,

- Lágrimas artificiais para reduzir a irritação ocular e proteger a superfície dos olhos,

- Corticoides para suprimir a inflamação.

Apesar de ser difícil evitar as alergias, existe um conjunto de boas práticas que servem de prevenção, nomeadamente: higiene frequente dos olhos e rosto, não esfregue ou coce os olhos, não partilhe toalhas nem produtos pessoais, use sempre os seus óculos de sol, troque a roupa de cama com frequência e evite espaços com fumo ou odores fortes. 

Síndrome do Olho Seco. Sabia que afeta cerca de 20% a 50% da população?

Esta síndrome acontece quando há insuficiente produção da lágrima ou pela sua evaporação excessiva, causando sintomas que limitam significativamente a qualidade de vida. Esses sintomas são: desconforto, secura, ardor, vermelhidão, visão desfocada, sensação de areia ou corpo estranho, fotofobia e intolerância a lentes de contacto

O tratamento à síndrome do olho seco pretende restaurar a homeostasia da superfície ocular através de lágrimas artificiais, fármacos oculares ou sistémicos, rigor na higiene palpebral, uso de óculos de câmara húmida, alterações drásticas do ambiente e recurso a suplementação de vitaminas.

A prevenção desta patologia está associada a boas práticas na utilização do computador (fazer pausas regulares). Pode também evitar o uso excessivo de aparelhos de aquecimento ou ar condicionado, locais com fumo. Use os óculos de sol sempre, protegendo-se de agressões externas como o sol e o vento. Deverá comer de forma equilibrada, incluindo alimentos ricos em vitamina A, como cenouras e espinafres

Ambas as patologias podem ser facilmente confundidas por outras, por isso é importante que se dirija a um oftalmologista para garantir um diagnóstico correto para que o tratamento seja o mais adequado possível.

Artigo anterior Top 5 Boas práticas na saúde ocular
Artigo Seguinte Termos e Condições - Sorteio Redes Sociais

Deixe um comentário

Comentários terão de ser aprovados antes de aparecerem

* Campos Obrigatórios