Menu
Menu
Saltar para o conteúdo
Lentes progressivas e prismáticas, qual é a diferença?

Lentes progressivas e prismáticas, qual é a diferença?

Apesar de ambas serem usadas em óculos, as lentes progressivas e prismáticas são totalmente distintas na sua forma de atuar. As prismáticas, apesar de serem lentes para ver, não corrigem problemas de visão, já as lentes progressivas conseguem resolver várias questões de visão, ao mesmo tempo.  

As lentes progressivas corrigem problemas de visão ao perto e ao longe em simultâneo, com a mesma lente. Atualmente já não tem uma divisória a definir a progressão da graduação, tornando-se assim em lentes mais confortáveis e bonitas, sendo esteticamente muito semelhantes à monofocais, lentes para corrigir uma só distância.

A primeira lente progressiva desenvolvida era um modelo muito básico em que as transições entre as diferentes partes da lente eram muito percetíveis e algumas pessoas diziam que sentiam muitos "solavancos" entre as graduações e a visão lateral era muito distorcida. Desde estas primeiras lentes até agora muito mudou, graças à evolução tecnológica, realização de estudos e criação de vários desenhos de lentes, as imperfeições foram ultrapassadas e hoje em dia as lentes progressivas permitem uma adaptação muito rápida.  

Anteriormente, estas lentes multifocais (progressivas) provocavam tonturas, dores de cabeça, cansaço e podendo até provocar quedas quando os utilizadores estavam a experimentá-las pela primeira vez. Por isto, muitas pessoas hesitam em comprar o primeiro par, mas com o desenvolvimento de nova tecnologia, cada vez menos estes sintomas se fazem sentir.

As lentes progressivas, à semelhança das monofocais, são fabricadas de acordo com a graduação, armação, postura, utilização, otimizando a sua visão.

Passando para as lentes prismáticas, é importante sublinhar que estas são completamente diferentes daquelas que corrigem a miopia, a hipermetropia e o astigmatismo. Estas dispersam a luz, sendo utilizadas com o objetivo de desviar a mesma, conforme as necessidades de cada um dos utilizadores e da magnitude da compensação exigida. Devem ser cuidadosamente concebidas e mantidas com zelo e rigor para que as suas funções permaneçam inalteráveis.

Há quem sofra de problemas de postura que levam à dislexia, as lentes prismáticas ajudam a realinhar o sistema e a restaurar o equilíbrio. Para além da dislexia, estas lentes são uma boa solução para a sensação constante de desequilíbrio, falta de mobilidade e dores regulares nos membros e costas, permitindo a correção postural.

Como acontece com outras patologias, o diagnóstico precoce e o rápido início do tratamento pode significar a recuperação total, principalmente nas crianças em que a elasticidade do sistema visual é menor.

Ambas as lentes – progressivas e prismáticas - são o resultado de vários anos de estudo e desenvolvimento tecnológico, cada uma na sua área, destacando-se pela sua inovação e capacidade de ajudar quem delas precisa. Outra semelhança entre estas duas lentes é a capacidade de melhorar a postura dos seus utilizadores, muito visível nas lentes prismáticas. Algumas lentes progressivas têm a mesma capacidade. As lentes progressivas Shamir Autograph Intelligence™ é exemplo disso mesmo, recorrendo à tecnologia própria com o nome Natural posture™ que, pela primeira vez, tem em conta a posição física que cada utilizador quando usa a visão ao perto.

 Na Indústria dos Óculos é o sítio ideal para encontrar toda a tecnologia e inovação que precisa, dirija-se já a uma das suas lojas – Barreiro, Montijo e Seixal – para esclarecer as suas dúvidas com os especialistas experientes da visão.  

 

Artigo anterior A tecnologia por detrás das lentes progressivas
Artigo Seguinte Óculos de descanso, porquê usar?

Deixe um comentário

Comentários terão de ser aprovados antes de aparecerem

* Campos Obrigatórios